16 de janeiro de 2014

A verdadeira religião.

Job. Nascimento

Texto: Tiago 1.25-27.

Introdução: 

O mundo vive cercado por várias crenças, filosofias, religiões e dogmas dos mais diversos. Muitos afirmam que não existe uma única verdade, que não existem ideais absolutos e que cada religião tem uma parcela da verdade. Mas, nós cremos na bíblia e temos fé em um Deus único e isso coloca-nos em contradição com muitas religiões e “verdades” do mundo. Como pode duas coisas contraditórias ser verdadeiras? Como pode uma coisa que eu digo existir e outro afirma que não existe, como seriamos verdadeiros ao mesmo tempo? Alguns dicionários de afirmam que religião vem do termo religare, ou seja, o homem estava separado de Deus e, tendo reconhecido o seu pecado, necessitava de algo que o ligasse novamente a Deus, daí o termo religião. Mas qual é a verdadeira religião? O apóstolo Tiago nos mostra alguns pontos em que podemos identificar uma religião verdadeira:

1. Aquele que cuida ser religioso deve saber frear a sua língua.

            A verdadeira religião ensina o homem a falar as coisas certas em momento oportuno. Fazendo com que o religioso seja instrumento de bênção e misericórdia e não uma arma de maldições e julgamentos para com as pessoas. A Nova Tradução na Linguagem de Hoje mostra-nos algo interessante em Salmos 37.12-15: “Vocês querem aproveitar a vida? Querem viver muito e ser felizes? Então procurem não dizer coisas más e não contem mentiras. Afastem-se do mal e façam o bem; procurem a paz e façam tudo para alcançá-la. Deus cuida das pessoas honestas e ouve os seus pedidos.” Os religiosos de hoje buscam a felicidade, além do seu contato com Deus, o salmista pontua que se alguém quer ser longevo e feliz deve evitar dizer coisas más e abster-se das mentiras.

2. Aquele que quer ser religioso deve cuidar das viúvas e órfãos e visitá-los nas aflições.

            Um dos padrões de obediência para com Deus é o cuidado com os órfãos e viúvas. A solicitude com essas pessoas mostra o amor do indivíduo pelo próximo na sua forma mais pura, pois, os órfãos e viúvas não possuem (muitas vezes) posses os bens para retribuir o gesto de bondade. Devemos ser zelosos nos nossos negócios, mas também devemos lembrar do serviço cristão, e este se concentra especialmente no cuidado dos órfãos e viúvas. Charles Haddon Spurgeon afirma que a maior parte de seus leitores é muito diligente nos negócios. Não podem ouvir o barulho de uma moeda cair que não se preocupem em pegá-la. Logo põem mãos à obra quando vêm uma oportunidade para um bom negócio. Mas tentem comportar-se da mesma maneira no serviço do Senhor. Não estejamos trabalhando ativamente no mundo e dormindo na igreja: preocupados no serviço de Mamom e descuidados com o serviço de Cristo.

3. Aquele que cuida ser religioso deve guardar-se incontaminado do mundo.

            O Senhor nos chamou para ser santos que na sua definição mais simplista quer dizer “separado”. Nós estamos na Terra como o óleo que é derramado sobre a água e não se mistura. Mas como o homem deve guardar-se incontaminado do mundo? R.N. Champlin afirma que é através da prática de algumas disciplinas espirituais: a oração, a busca de forças espirituais, o conhecimento das Escrituras, o intelecto esclarecido, experiências místicas, uso dos dons espirituais. “É isso que convida a aprovação de Deus, ao passo que o cerimonialismo pode parecer suficiente para os homens que julgam as coisas observando apenas as externalidades.” (CHAMPLIN, 2002, p. 33)

Conclusão.

            Qual é a religião verdadeira? É aquela que guarda uma relação de verdade entre o amor ao próximo/amor a Deus e crê em Jesus como seu único mediador. Jesus nos ensinou a sermos praticantes de suas palavras e não somente ouvintes, e nisto conheceriam que éramos seus discípulos. Aquele que houve e não pratica é semelhante a um homem que constrói uma casa sobre a área, por mais bela e grande que seja ela não suporta os ventos e a força da tempestade. No entanto, aquele que ouve as palavras de Jesus e as pratica é comparado a um homem que constrói sua casa sobre a rocha e, independente do tempo que leva para construir e do tamanho de sua casa, vêm as tempestades e os ventos, mas eles não são capazes de destruir a casa. O apóstolo Tiago ratifica: “mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado (feliz aos olhos de Deus)” (Tiago 1.25)

Referências.

CHAMPLIN, Russel Norman. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. Volume 6. São Paulo: Hagnos, 2002.
SPURGEON, Charles Haddon. 200 Ilustrações. 3ª Edição. Ourinhos-SP: Edições Cristãs, 1989.