14 de janeiro de 2013

A intimidade do Senhor é para os que o temem e o buscam em sinceridade


Por Job. Nascimento

Tema: A intimidade do Senhor.
Título: A intimidade do Senhor é para os que o temem e o buscam em sinceridade.
Texto: Salmos 25.

Introdução:

            Os salmos são um conjunto de cânticos. Eles são divididos em cinco livros, note que no início dos salmos 1, 42, 73, 90 e 107 está a indicação “livro I”, “livro II”, “livro III” etc. Cada um desses livros representam um livro do pentateuco e, consequentemente, os temas dos salmos contidos em cada livro são relacionados ao tema de um livro do pentateuco, por exemplo, no livro I os temas são relacionados ao Gênesis (a glória da criação, a criação do homem, a linguagem sem voz da natureza etc.). Sendo assim, é quase inevitável nós lermos o salmo 25 sem nos remetermos a história de José. Ele foi vendido, humilhado, mal interpretado. Mas, manteve-se firme e não negou a sua fé. Não se indignou, foi manso, esperou no Senhor porque sabia que os caminhos do Senhor são mais elevados. “Guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o seu caminho”.
            Neste salmo, de acordo com Derek Kidner (2004, p. 134) “o alfabeto hebraico, com alguma irregularidade ocasional, forma o arcabouço deste salmo, cujas preocupações principais são, pela ordem: a pressão dos inimigos, a necessidade de orientação e o fardo da culpa. A tonalidade é suave, e a confiança do cantor se revela mais na espera pacienciosa do que no irrompimento de regozijo que às vezes marca o ponto alto de um salmo deste tipo. O versículo final, deixando o esquema alfabético, reivindica para Israel aquilo que Davi pediu para si mesmo, transformando uma petição pessoal em hino para a congregação inteira”.

I. Os que buscam o Senhor em sinceridade são guiados por Ele.

            Os que buscam o Senhor rasgam o seu coração e não somente suas vestes diante do Senhor e são guiados por ele.  Temem ao senhor, mas esse temor é reverência, respeito e obediência e não ansiedade capaz de perturbar a vida. Buscar ao Senhor tem a ver com negar a si mesmo sim, mas em nada tem a ver com pesar, dor, má vontade, cumprimento obrigatório de determinadas disciplinas espirituais ou dor, ao contrário, os que buscam ao Senhor em sinceridade “deleita-se na lei do Senhor” como diz o salmista, sente prazer em fazer o que é correto. Mas reconhece que mesmo buscando ainda está sujeito a erros e, por isso, reconhece que não é perfeito e pede constantemente pelas misericórdias e bondades do Senhor. Não se arrogam o título de “santos” pelo fato de buscarem ao Senhor e outros não, ao contrário, simplesmente O buscam.

Ilustração

            Devemos nos alegrar no Senhor – A alegria e o regozijo são o espírito com o qual se deve louvar a Deus. Os pássaros cantam louvores ao Criador e o peixe pula na água para expressar regozijo. Moloque pode ser adorado com gritos de dor, mas Aquele cujo nome é amor recebe com satisfação a santa alegria e o santo regozijo dos Seus.

II. Os mistérios do Senhor são revelados aos que o buscam.

            Os mistérios do Senhor não são revelados para qualquer um. Apesar de estarem disponíveis a todos. Os segredos do Reino e do Evangelho são mostrados a todos que tem o coração ensinável e que vem ao Senhor com um coração sincero. A razão humana não pode chegar ao conhecimento pleno de Deus, mas a revelação sim. Matthew Henry (2003, p. 416) afirma que “o crente mais maduro necessita e deseja que Deus o ensine. Se desejamos sinceramente conhecer o nosso dever, com a decisão de cumpri-lo, podemos ter a certeza de que Deus nos dirigirá”. O mesmo autor mais adiante argumenta “quão ilimitada é a misericórdia que cobre para sempre os pecados e as atitudes néscias de uma juventude passada sem Deus e sem esperança! Bendito seja o Senhor, que o sangue do grandioso Sacrifício é capaz de limpar todas as manchas”.

III. Os íntimos do Senhor caminham em misericórdia e verdade.

            A expressão “íntimos do Senhor” em nada tem a ver com um tratamento especial e diferenciado devido ao amor maior por uns em detrimento de outros, ao contrário, tem a ver com que aquele que “busca encontra” e, consequentemente, quem não busca não acha. Confiamos nas promessas do Senhor. Esperamos. Andamos com a consciência tranquila porque os caminhos do Senhor, suas promessas e providências, são misericórdia e verdade. No Novo Testamento encontramos uma fala de Jesus “e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8.32), os que buscam o Senhor andam e conhecem a verdade, são misericordiosos e provam da misericórdia, mantem-se tranquilos e sabem o que é “ter paz em meio a guerra”. Bom é esperarmos no Senhor e aguardarmos em silêncio a Salvação.

Conclusão

            Se buscamos ao Senhor em sinceridade temos em nossa mente a certeza e paz que é capaz de repetir o que Matthew Henry disse: “se Deus se volta à nós, não importa quem se afaste de nós”. Que possamos buscar ao Senhor, não apenas em ritos e liturgias, mas constantemente no nosso dia a dia e em verdade. Porque a intimidade do Senhor é para os que o teme e Ele “Guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o seu caminho”. Senhor “ensina-nos a orar, a comparecer diante de Ti da maneira que escolhas, e a elevarmos o nosso coração e todos os nossos desejos a Ti, porque só Tu és o Senhor, nossa justiça”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário